segunda-feira, 26 de Agosto de 2013

Comentário acerca do artigo "Bairros Sociais ainda acendem debate" do DI



    O problema não se encontra no tipo de habitação, pois quer vivam num bairro social quer numa casa devoluta ou degradada, como afirmou Judite Parreira, os conflitos e os problemas vão sempre existir. O problema está na ausência de um projeto de reinserção e de reeducação adequado de modo a reabilitar as famílias beneficiadoras destas habitações.
    É necessário um acompanhamento bem sucedido por parte dos Técnicos Superiores de Serviço Social, é necessário intervir nestes casos, estimulando a auto-responsabilização, educar para a higiene habitacional e pessoal, para a gestão adequada do seu dinheiro, para a cidadania, entre outros.
    Com a monitorização profissionalizada dos Técnicos de Serviço Social, os resultados tenderiam a ser diferentes e, consequentemente, bem sucedidos.

quinta-feira, 30 de Maio de 2013

Campanha de Recolha de Alimentos pelo Banco Alimentar

Solidariedade dos portugueses é maior que a crise



    Mostrar que a solidariedade dos portugueses é ainda maior do que a crise e que mais do que nunca é possível fazer toda a diferença com uma ajuda por muito pequena que seja, é o apelo que os Bancos Alimentares Contra a Fome fazem por ocasião de mais uma campanha de recolha de alimentos, que irá decorrer este fim-de-semana nos próximos dias 1 e 2 de Junho com voluntários e até 9 de Junho na internet em: http://www.alimentestaideia.net/.

  Esta nova campanha ocorre num momento em que se verifica um significativo agravamento das dificuldades alimentares com que se debatem muitas famílias portuguesas, conforme demonstrado pelo estudo esta semana divulgado, efectuado pela Universidade Católica Portuguesa em pareceria com a Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares e a ENTRAJUDA, uma situação que convoca todas os portugueses a fazer uso da sua solidariedade habitual, hoje e agora mais necessária do que nunca.

    “Contamos com todos os portugueses para uma vez mais contribuírem para os Bancos Alimentares e assim minorar as carências crescentes e comprovadas de muitas famílias portuguesas”, referiu Isabel Jonet, Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome. 

   Presente em 20 regiões do país (Lisboa, Porto, Évora, Coimbra, Aveiro, Abrantes, Setúbal, S. Miguel, Cova da Beira, Leiria-Fátima, Oeste, Algarve, Portalegre, Braga, Santarém, Viseu, Viana do Castelo, Terceira, Beja e Madeira), a campanha conta com a colaboração de mais de 39.200 voluntários. Devidamente identificados, estarão à porta de 1.181 estabelecimentos comerciais a convidar os portugueses a associarem-se, mais uma vez, a uma causa que já conhecem, doando alimentos para quem mais precisa. 

     Ainda, de 1 a 9 de Junho, será também possível contribuir na campanha Ajuda Vale, com o lema “uma ajuda que não pesa mas vale”, para tanto bastando pedir um vale nas caixas dos supermercados, com um código de barras específico para os produtos para o Banco Alimentar. 

    A par da campanha de recolha de alimentos em supermercados, o Banco Alimentar disponibiliza ainda uma plataforma eletrónica em www.alimentestaideia.net para doação de alimentos, sem necessidade de deslocação aos estabelecimentos comerciais. “Alimente esta ideia… agora também online” é um portal inovador, introduzido em 2011, e agora em 4 línguas (português, inglês, espanhol e francês) com o objetivo permitir a participação na campanha de pessoas que habitualmente não se deslocam ao supermercado ou que residam fora de Portugal, nomeadamente os emigrantes. 

   Uma novidade este ano, é a realização da campanha de recolha de alimentos na República de Cabo Verde, em 2 ilhas e 23 lojas, o que representa um primeiro passo com vista ao lançamento dos Bancos Alimentares nesse país com um modelo idêntico ao português. 

Num contexto de dificuldade, maior solidariedade 

    Com uma campanha publicitária interpelativa, o Banco Alimentar desafia os portugueses a contribuírem num momento de grandes dificuldades e necessidades. Famílias, desempregados, crianças e idosos são os mais afectados pela crise económica, contribuindo para aumentar exponencialmente os pedidos de apoio que chegam aos Bancos Alimentares Contra a Fome e a necessidade de alargar a sua capacidade de resposta às instituições sociais que apoiam. 

   De acordo com os dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, em 2012, foram apoiadas 2.221 instituições de solidariedade que entregaram os produtos alimentares a mais de 389.200 pessoas, sob a forma de cabazes de alimentos ou refeições confeccionadas, num total de 28.323 toneladas de alimentos (com o valor estimado de 39.651 milhões de euros), uma média diária de 113 toneladas por dia útil. 

     Um estudo realizado pela Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome em parceria com a ENTRAJUDA e a Universidade Católica Portuguesa, com o objetivo de conhecer melhor a situação das pessoas apoiadas pelas Instituições de Solidariedade Social, divulgado esta semana revela que cerca de 52% dos agregados familiares inquiridos tem um rendimento disponível mensal inferior ao salário mínimo nacional (23% das famílias auferem menos de 250€, 29% entre 251€ e 400€ e 26% mais de 500€), provindo em 32% dos casos do trabalho, o que não invalida a existência de outros apoios sociais a complementarem o rendimento total das famílias. Em 40% dos casos, o rendimento provém de reformas/pensões. Mas cerca de 60% das pessoas diz que o rendimento da família nunca é suficiente para viver

     Muito preocupante é a resposta dada por 26% dos inquiridos que diz ter tido falta de alimentos ou sentido fome alguns dias por semana, 14% referindo mesmo que tal aconteceu pelo menos um dia por semana

   Constata-se uma tendência para o aumento das carências alimentares: em 2013, 39% referiu que tinha passado um dia inteiro sem ingerir quaisquer alimentos, por falta de dinheiro, apenas 23% dos respondentes dizem ter dinheiro para comprar comida até ao final do mês e 37% dos respondentes dizem não ter dinheiro para comprar comida até ao final do mês e 40% referem que tal acontece “às vezes” (num mês). 

Recolha local para uma campanha nacional 

     Durante os dias 1 e 2 de Junho, a campanha decorre nos moldes habituais: voluntários, devidamente identificados convidam as pessoas que vão às compras à entradas dos estabelecimentos comerciais, ajudam no transporte e na arrumação dos alimentos nos armazéns dos 20 Bancos Alimentares em actividade. 
   
   Participar na campanha é simples, bastando para isso aceitar um saco do Banco Alimentar e nele introduzir alguns bens alimentares – de preferência produtos não perecíveis (leite, conservas, azeite, açúcar, farinha, massas, etc.) – que possam ser distribuídos por quem mais precisa. 

     No final, o resultado é distribuído localmente – ainda com recurso ao voluntariado – a pessoas com carências alimentares, por intermédio de 2.221 instituições de Solidariedade Social, previamente seleccionadas e acompanhadas ao longo do ano. 

     Este é um modelo de intervenção que permite uma maior proximidade entre quem dá e quem recebe e um trabalho em rede de inclusão social. 

   Só em 2012, foram recolhidos cerca de 28.323 toneladas de alimentos (com o valor estimado de 39.651 milhões de euros), num movimento médio de 113 toneladas por dia útil. No global, no último ano foram ajudadas mais de 389.223 pessoas, de acordo com os dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome. 

Para mais informações sobre a campanha, contactar: 
Banco Alimentar Contra a Fome: 919 000 263 - 213 649 655 
www.bancoalimentar.pt ou através do facebook

Página Perspetiva Social no Facebook

E a Perspetiva Social já tem uma página no Facebook!


      "Se Maomé não vai à montanha, vai a montanha a Maomé", e seguido a lógica deste ditado, senti a necessidade de aproximar o meu blog das pessoas, pois não era suficiente a partilha da informação através da minha página pessoal.

      Outra razão que me levou a criar a respetiva página, foi fundamentalmente, para que TU possas partilhar o teu conhecimento, informação pertinente, possas comunicar e muito mais, com a Perspetiva Social e os seus leitores, de forma a que a partilha de todos possa enriquecer-nos a diversos níveis, por isso, DESAFIO-TE a fazer parte desta comunidade que se interessa em fazer deste mundo um mundo melhor, e consequentemente, uma melhor sociedade.

Obrigada :)

Jornada de Serviço Social "O Serviço Social e a Educação"


      No passado dia 29 de Maio, os estagiários do curso de Serviço Social, Lisandra Rego, Joana Esteves, Cátia Pires e Francisco Carvalho, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco em parceria com o Gabinete de Serviço Social do Agrupamento de Escolas João Roiz, coordenado pela Assistente Social Dr.ª Ivone Semblano, e com a supervisora da prática pré-profissional Dr.ª Paula Godinho, organizaram uma Jornada de Serviço Social intitulada de "O Serviço Social e a Educação".
       Foram abordadas diversas temáticas, tais como: o Serviço Social no contexto educativo, a importância do voluntariado na educação, projetos de inclusão social e de envolvimento familiar, a violência na família e as suas implicações no contexto escolar e psicologia positiva.
       É de realçar que estiveram presentes mais de uma centena de participantes, que deram como feed-back que este tipo de iniciativas devem realizar-se mais vezes, pois são ações extremamente importantes quer para a formação dos alunos, quer para a formação de técnicos que estão a exercer a sua prática.

      Queremos agradecer a todos aqueles que nos apoiaram, que participaram e aos oradores que partilharam um pouco da sua sabedoria e do seu conhecimento contribuindo, assim, para o enriquecimento daqueles que estiveram presentes quer a nível profissional como a nível pessoal. 

     Tal como nos foi solicitado, segue-se a apresentação da Dr.ª Ivone, "O Serviço Social no contexto educativo".


"Educar é impregnar de sentido o que fazemos a cada instante!"

quarta-feira, 15 de Maio de 2013

Dia do Assistente Social


Parabéns a todos os técnicos de Serviço Social. Continuação de um bom trabalho!!

sábado, 11 de Maio de 2013

Jornada de Serviço Social "O Serviço Social e a Educação"


      Um evento que estou a organizar, juntamente com os meus colegas do estágio que estou a realizar no Agrupamento de Escolas João Roiz, e com o apoio do Gabinete de Serviço Social da escola e da supervisora Dr.ª Paula Godinho.

      Para quem está interessado, devem inscrever-se até dia 26 deste mês para o email: servicosocial_educacao@hotmail.com.

Participa! Este dia promete ser muito enriquecedor!

sexta-feira, 10 de Maio de 2013

Ordem dos Assistentes Sociais


"Cara(o)s sócia(o)s e demais interessados,

Vimos informar que a APSS entregou hoje, dia 10 de maio de 2013, à Presidente da Assembleia da República e à Comissão Parlamentar de Segurança Social e Trabalho, a sua proposta de anteprojeto de Estatuto Profissional do Assistente Social e de criação da Ordem dos Assistentes Sociais.
Dez anos volvidos sobre a primeira vez que foi submetido este processo ao nosso parlamento, continuamos a contar com uma forte união da(o)s Assistentes Sociais em torno deste projeto profissional: a auto-regulação.

Continuaremos a informar sobre o processo, sempre que se afigure pertinente. Fique atenta(o).

Saudações associativas,
A Direção da Associação dos Profissionais de Serviço Social"

Vamos unir-nos e lutar pela auto-regulação da nossa profissão!

quinta-feira, 4 de Abril de 2013

Idosos estão mais cultos, saudáveis e ativos


Os idosos portugueses estão mais cultos, saudáveis e ativos e nos últimos 12 anos quase duplicou o número dos que afirmam saber ler, indica um estudo da Rede de Universidades da Terceira Idade. 

 Luís Jacob, presidente da RUTIS - Associação Rede de Universidades da Terceira Idade e professor de gerontologia, realizou uma análise sobre os idosos enquanto consumidores de cultura e lazer, tendo observado "alterações significativas" nos últimos anos. 

"Temos hoje em dia idosos mais ativos e intervenientes e que procuram crescentemente atividades de lazer e culturais, fruto do seu maior grau de escolarização, de serem autónomos [durante] mais tempo e das portas que o mundo lhes abre, seja presencialmente, seja via internet", sublinha o especialista no estudo, a que a Lusa teve acesso. 

Em 2000, apenas 13 por cento (%) dos idosos afirmavam ler regulamente, número que cresceu para 22% em 2010. 

No mesmo período, aumentou de 11 para 31 a percentagem dos que fazem férias uma vez por ano. 

"Olhando para o consumidor mais velho notamos várias diferenças entre a situação atual (2012) e [a de] há vinte anos (1990)", diz Luís Jacob, acrescentando: "Além de um número maior de idosos, estes são mais ricos, mais cultos, mais saudáveis e mais interessados". 

Estas mudanças devem-se à "evolução positiva das condições de vida" ocorridas nos últimos anos em Portugal, salienta. 

Em 1990 existiam cerca de 1,3 milhões de idosos, número que subiu para dois milhões em 2010, representando, respetivamente, 13,6% e 19,1% da população. 

A grande maioria (74%) era iletrada em 1990. Atualmente esse valor não ultrapassa os 33%. 

Por outro lado, aumentou o número de licenciados, passando de 0,02% para 0,04%. Nesse período, a média das pensões de velhice e invalidez passou de 84,8 euros para 246,4 euros, enquanto a média das pensões de sobrevivência passou de 50,9 euros para 147,8 euros. 

Também tem vindo a crescer o número dos que praticam desporto, uma situação para a qual contribuiu a criação de programas desportivos pelas autarquias. 

Segundo o barómetro sénior, 63% dos idosos preocupam-se com a sua imagem e utilizam regularmente produtos de beleza, um número que em 1990 era "muito mais baixo". 

São também cada vez mais os que utilizam a Internet (cinco por cento em 2001 e 32% em 2010). 

A televisão, a rádio e a "ida ao café" são as principais atividades de lazer. Contudo, há cada vez mais idosos a lerem livros, a irem a espetáculos culturais, a viajarem, a estudarem ou a produzirem cultura. 

Para responder aos novos gostos dos mais velhos, os fornecedores apostaram em novos serviços, nomeadamente na área do turismo e no sector dos serviços pessoais e de saúde (lares, apoio domiciliário e clínicas). 

Já os cinemas, teatros, museus e transportes promovem descontos para os idosos. 

De acordo com o estudo, houve também um enorme aumento das universidades seniores, que passaram de 15, em 2001, para 190, em 2012. 

"O Envelhecimento: Encargo ou oportunidade económica?" vai estar em debate na quinta-feira, em Lisboa, no âmbito do ciclo de conferências Montepio/Diário Económico.

Fonte: Jornal de Notícias, publicado em 2012-05-02
Fotografia: Soares - Global Imagens

terça-feira, 19 de Março de 2013

Dia Mundial do Assistente Social



A Mensagem da Direção da APSS:


A todos os Assistentes Sociais uma continuação de um bom trabalho, muita força e muito sucesso a nível profissional!

domingo, 17 de Março de 2013

Concerto de Solidariedade - Porto Judeu


Assistentes Sociais Alvo de Agressões


Veja aqui a notícia: Assistentes sociais alvo de agressões - País - Notícias - RTP

"É cada vez mais perigoso ser assistente social em Portugal. Aumentaram nos últimos meses os casos de agressões físicas e verbais. Os cortes nas prestações sociais aumentaram o grau de ameaça sobre estes profissionais."